A-Z índice do site

5,3 bilhões de pessoas estão protegidas com pelo menos uma medida anti-tabaco

Muitos países estão progredindo na luta contra o tabaco, mas um levantamento da Organização Mundial da Saúde, OMS, mostra que várias nações estão falhando na regulamentação de novos produtos com nicotina.

Ao apresentar o relatório esta terça-feira, em Genebra, a OMS destaca que 5,3 bilhões de pessoas no mundo estão cobertas com pelo menos uma medida anti-tabaco. 

1 bilhão de pessoas no mundo são fumantes e o tabaco mata 8 milhões de pessoas por ano

© Unicef/Shehzad Noorani

1 bilhão de pessoas no mundo são fumantes e o tabaco mata 8 milhões de pessoas por ano

Seis Medidas 

Este total é quatro vezes maior do que os números de 2007. Ainda assim, 1 bilhão de pessoas no mundo são fumantes e o tabaco mata 8 milhões de pessoas por ano. 

A agência tem seis medidas de controle: monitorar o uso dos cigarros; proteger as pessoas do fumo; oferecer opções para que deixem de fumar; alertar sobre os perigos do cigarro; proibir a publicidade desses produtos e aumentar os impostos.

Mais da metade das nações e metade da população mundial está coberta por pelo menos duas dessas medidas, o maior nível alcançado até hoje. 

OMS destaca que 5,3 bilhões de pessoas no mundo estão cobertas com pelo menos uma medida anti-tabaco

OMS

OMS destaca que 5,3 bilhões de pessoas no mundo estão cobertas com pelo menos uma medida anti-tabaco

Portugal 

A OMS destaca que Portugal está entre os seis países que subiram para o grupo de melhores práticas por cobrar impostos que representam pelo menos 75% do valor de venda ao varejo. 

O relatório mostra ainda que mais da metade dos habitantes do planeta está exposta a maços de cigarro que trazem impressas fotografias fortes com avisos sobre os riscos para a saúde.

Ao mesmo tempo, algumas medidas, como aumentar os impostos sobre o tabaco, avançam de forma mais lenta, segundo a OMS. Além disso, 49 países continuam sem nenhuma medida de controle. A maioria são nações de rendas baixa ou média.

49 países continuam sem nenhuma medida de controle

Unsplash/Mathew MacQuarrie

49 países continuam sem nenhuma medida de controle

E-Cigarros 

Esta é a primeira vez que a OMS inclui no relatório dados sobre cigarros eletrônicos, que geralmente tem como público-alvo crianças e adolescentes. A agência alerta para as informações falsas sobre esses produtos, feitos com uma variedade de sabores que se tornam apelativos aos jovens. 

A OMS faz um alerta: os menores de idade que usam cigarros eletrônicos têm até três vezes mais chances de continuarem fumando na vida adulta. A agência pede aos governos para implementarem regulamentações e assim, prevenir que estes produtos ganhem novos adeptos. 

De acordo com a OMS, a epidemia do tabaco é uma das maiores ameaças à saúde pública que o mundo já enfrentou

OMS/Marcelo Moreno

De acordo com a OMS, a epidemia do tabaco é uma das maiores ameaças à saúde pública que o mundo já enfrentou

“Marketing Agressivo”

O diretor-geral da OMS lembra que a nicotina é altamente viciante. Tedros Ghebreyesus destaca que os produtos eletrônicos também são perigosos e, por isso, precisam de regulamentação. 

Atualmente, cigarros e outros produtos eletrônicos com nicotina estão proibidos em 32 países. A OMS explica que outras 79 nações têm pelo menos uma medida contra os “e-cigarros”, mas 84 países ainda não implementaram alguma restrição. 

O embaixador global da OMS para Doenças Crônicas, Michael Bloomberg, criticou a indústria do tabaco pelas campanhas “agressivas de marketing para cigarros eletrônicos e pelo lobby que fazem com os governos”. 

Segundo Bloomberg, o objetivo é simples: “viciar mais uma geração em nicotina”, algo que o mundo “não pode deixar acontecer”. 
 


Assembleia Geral da ONU: presidente da República defende diálogo global

O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, discursou na cerimónia de abertura da 76.ª sessão Assembleia Geral das Nações Unidas (AGNU) tendo-se centrado...

“Sistema de saúde do Afeganistão está à beira do colapso”, declara chefe da OMS

O subsecretário-geral da ONU para Assuntos Humanitários, Martin Griffiths, está liberando US$ 45 milhões para o setor de saúde do Afeganistão. O anúncio foi...

Guterres apela a mais e melhor multilateralismo para vencer pandemia e crise climática

"O mundo tem de acordar numa altura em que vivemos à beira do abismo." Foi com estas palavras que o secretário-geral das Nações Unidas,...