A-Z índice do site

Agência da ONU alerta para impactos de uma “pandemia de tráfico humano” 

Um novo estudo sobre o impacto da Covid-19 ressalta o aumento no número de vítimas de tráfico humano durante a pandemia especialmente na exploração de crianças.  

O relatório do Escritório da ONU sobre Drogas e Crime, Unodc, avalia ainda como organizações respondem aos desafios causados pela pandemia e como elas fazem o atendimento a quem precisa apesar de todas as restrições e barreiras impostas desde o ano passado.  

Justiça  

Para a agência da ONU, a situação representa “uma pandemia de tráfico humano” com os criminosos se aproveitando da crise para alvejar as vítimas, adultos e crianças, que passaram a ficar mais tempo na internet.  

Um outro fator são as perdas de renda e o desemprego gerado pela crise.  

Menino de 17 anos no leste do Sudão, que sobreviveu ao tráfico humano, expressa seu desejo de ser libertado

Unicef/Osama Idriss

Menino de 17 anos no leste do Sudão, que sobreviveu ao tráfico humano, expressa seu desejo de ser libertado

A diretora-executiva da agência afirma que com a pandemia, ficou mais difícil detectar o tráfico de pessoas e muitas vítimas não conseguem obter acesso à justiça.  

O estudo ajuda ainda a legisladores e profissionais da justiça penal ao examinar estratégias para investigar e processar os criminosos em épocas de crise.  

Exploração sexual de crianças  

O chefe da Seção de Contrabando de Migrantes e Tráfico Humano do Unodc, Ilias Chatzis, lembrou que esses criminosos atuam em situações de vulnerabilidade enganando as vítimas com falsas promessas. E pessoas desesperadas tendem a acreditar nas mentiras.    

O estudo revela que tem aumentado o número de crianças vítimas dos traficantes que usam as redes sociais e outras plataformas para recrutar os menores. 

Com o aumento de materiais de exploração sexual de crianças, crescem os crimes contra elas.   

Uma vítima de tráfico humano depois de concluir um programa de reintegração

©IOM/S.Desjardins

Uma vítima de tráfico humano depois de concluir um programa de reintegração

Além disso, o confinamento social e as fronteiras fechadas fazem com que as vítimas tenham menos chance de escapar dos traficantes.  

Bandidos  

Os autores do relatório afirmam que mesmo com as dificuldades da pandemia, o crime de tráfico humano não diminuiu, uma vez que os bandidos se adaptam rapidamente à nova realidade.  

Em vez de atuarem em locais públicos, eles passam as atividades para propriedades privadas e para a internet.  

Em alguns países, policiais e investigadores dedicados a essa área foram transferidos para outros setores para ajudar a responder à pandemia.   

Por isso, o Unodc defende que a estratégia de enfrentamento deve incluir atividades de combate ao tráfico humano que possam seguir sem interrupção em tempos de crise com o a de uma pandemia. 


UNICEF Portugal lança iniciativa “TENHO VOTO NA MATÉRIA”

Hoje, de 15 de Setembro, assinala-se o Dia Internacional da Democracia, instituído pelas Nações Unidas em 2007, com o objectivo de alertar para a...

76ª sessão da Assembleia Geral da ONU: resiliência através da esperança

Começou esta terça-feira a 76ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas. O novo presidente eleito do órgão, Abdulla Shahid, das Maldivas, apresentou cinco...

Dia Internacional da Democracia destaca importância de garantir mais participação

Este 15 de setembro marca o Dia Internacional da Democracia. Em mensagem, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, lembrou que o mundo ainda está se recuperando de...