A-Z índice do site

Guterres reeleito para segundo mandato à frente da ONU

Na passada sexta-feira, António Guterres foi renomeado para um segundo mandato como secretário-geral das Nações Unidas, comprometendo-se a continuar a dar prioridade à ajuda mundial para ultrapassar a pandemia da covid-19.

Enquanto fazia o juramento de tomada posse na Assembleia Geral, o secretário-geral das Nações Unidas afirmou estar ciente da imensa responsabilidade que lhe foi conferida neste momento crítico da nossa história.

O mundo numa encruzilhada

“Estamos realmente numa encruzilhada, com escolhas importantes à nossa frente. Os paradigmas estão a mudar. As velhas ortodoxias estão a ser invertidas”, declarou aos embaixadores.

“Estamos a escrever a nossa própria história, agora, com as escolhas que fazemos. Tanto podemos escolher o colapso e uma crise perpétua ou a perspetiva de um futuro mais verde, mais seguro e melhor para todos. Há motivos para ter esperança.”

Guterres foi o único candidato dos 193 Estados-membros da ONU a disputar o cargo mais importante da organização. O seu primeiro mandato de cinco anos começou em janeiro de 2017.

O secretário-geral da ONU foi nomeado por Portugal e pela Assembleia Geral, após o apoio do Conselho de Segurança das Nações Unidas, para um segundo mandato de janeiro de 2022 a dezembro de 2026.

Virar a página

Falando em inglês, francês e espanhol – três dos seis idiomas oficiais da ONU – Guterres constatou como a covid-19 tem destruído vidas e meios de subsistência, exacerbando ainda mais as desigualdades já existentes. Alertou ainda, como em simultâneo, as nações enfrentam os desafios das alterações climáticas e da perda de biodiversidade.

O secretário-geral afirmou que é crucial que a saída da pandemia, assim como a recuperação socioeconómica, ocorram em bases muito mais equitativas.

“O nosso maior desafio – que é, simultaneamente, a nossa maior oportunidade – é usar esta crise para virar a página para um mundo que aprende lições, promove uma recuperação justa, verde e sustentável através de uma internacionalização crescente e cooperação eficaz para a resolução de problemas globais”, declarou em francês.

Momento para a transformação

Com um caminho difícil pela frente, cheio de grandes desafios, o secretário-geral expressou confiança de que estes podem ser ultrapassados graças ao compromisso e dedicação dos funcionários da ONU. Enfatizou, ainda, a necessidade de contínua melhoraria através do aperfeiçoamento ao acesso e análise de dados e da redução da “burocracia desnecessária”.

Embora o mundo tenha mudado muito, as promessas da ONU permanecem constantes. Porém, os países precisam de trabalhar juntos de maneiras inteiramente novas para mantê-las vivas.

Guterres pediu que se aproveitasse este momento para a transformação. O secretário-geral da ONU enfatizou a necessidade de se ouvirem novas vozes na mesa de tomada de decisões, nomeadamente as da sociedade civil, do setor privado e da juventude.

Equidade no acesso à vacina

“Em última análise, essa transformação tem de originar mais solidariedade e equidade”, afirmou Guterres, desta vez em espanhol.

“A equidade precisa começar agora: as vacinas têm de estar disponíveis para todos, em todo o mundo. Devemos criar condições para uma recuperação sustentável e inclusiva tanto no mundo desenvolvido como em desenvolvimento. Ainda temos um longo caminho a percorrer.”

Guterres advertiu que os países devem superar seu atual “déficit de confiança” para que isso seja possível.

“Temos de fazer tudo o que pudermos para superar as atuais divisões geoestratégicas e relações disfuncionais de poder. Existem muitas assimetrias e paradoxos. Estas precisam de ser ultrapassadas”, aconselhou.

“Precisamos, ainda, de estar cientes de como o poder funciona, hoje, no mundo, quando se trata da distribuição de recursos e tecnologia.”

Promovendo confiança, inspirando esperança

António Guterres comprometeu-se a usar o seu segundo mandato para garantir “o florescimento da confiança entre as nações”.

O secretário-geral das Nações Unidas também procurará inspirar esperança na possibilidade de ultrapassar os desafios que enfrentamos, que o impossível se pode tornar possível.

“Não podemos desistir”, afirmou. “Isso não é idealista ou utópico, mas fundamentado no conhecimento histórico de como ocorreram as grandes transformações e orientado pela crença fundamental na bondade do ser humano. Ultrapassar os desafios é possível quando menos esperamos e contra todas as probabilidades. Esse é o meu compromisso.”


Especialista da ONU pede ação para o fim de ataques online contra povos Roma

Apelo é feito aos governos durante a observação de 2 de agosto, Dia em Memória ao Holocausto Cigano; tragédia ocorreu durante a Segunda Guerra Mundial, quando 3 mil pessoas foram assassinadas nas câmaras de gás; relator...

Cartoonista português vence concurso internacional sobre trabalho forçado promovido pela OIT

Três cartoonistas de Portugal, do Uzbequistão e da Turquia venceram um concurso internacional de cartoon que pretende sensibilizar para a problemática da escravatura moderna.  Para assinalar...

Semana Mundial da Amamentação destaca que responsabilidade é partilhada 

Os primeiros sete dias de agosto marcam a Semana Mundial da Amamentação. Todos os anos, autoridades de saúde realizam atividades nacionais e internacionais para...