A-Z índice do site

Código vermelho para a Humanidade

Vagas de calor e precipitação intensa, secas agrícolas e ecológicas, maior frequência de ciclones tropicais, bem como a redução do gelo marinho do Ártico são as principais consequências do aumento exponencial da temperatura do planeta Terra.

Ação Humana

 A atividade humana tem vindo a acelerar o aquecimento global a uma velocidade nunca antes vista. Se as alterações climáticas continuarem a este ritmo, é possível que a temperatura média global do planeta aumente 1.5ºC até 2030 e caso as atuais emissões de gases de efeito de estufa dupliquem, a subida do nível médio das águas do mar pode chegar aos 1,8 metros.

O 6.º relatório do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC) veio confirmar que as emissões de gases com efeitos de estufa, consequência da atividade humana, são responsáveis por aproximadamente 1,1°C do aquecimento global e conclui que, em média, nos próximos 20 anos, a temperatura deverá atingir ou exceder mais 1,5°C.

Em 2019, as concentrações de CO2 na atmosfera foram superiores às registadas nos últimos 2 milhões de anos e as concentrações de metano e de óxido nitroso atingiram níveis superiores aqueles registados nos últimos 800.000 anos.

Segundo o relatório, as temperaturas durante esta década (2011-2020) excederam as do último período mais quente registado que ocorreu há 6.500 anos.

Em cidades mais populosas, fenómenos como calor extremo e inundações fortes podem piorar podendo resultar numa maior duração das estações quentes que consequentemente destruirão os setores da agricultura e da saúde.

Numa perspetiva da ciência, o documento explica que limitar o aquecimento global induzido pelo homem a um nível específico requer a limitação das emissões de dióxido de carbono, atingindo pelo menos zero emissões líquidas, juntamente com a redução de outros gases com efeito de estufa.

Código vermelho

O secretário-geral das Nações Unidas (ONU), António Guterres, considera que o relatório é “um código vermelho para a humanidade”, com uma evidência irrefutável: as emissões de gases a partir da queima de combustíveis fósseis e do desmatamento estão a sufocar o planeta e a colocar biliões de pessoas em risco.

O chefe da ONU afirma ainda que o relatório “deve soar como uma sentença de morte para os combustíveis fósseis, antes que destruam o planeta” e exige uma ação imediata para a limitação do aquecimento da temperatura global a 1.5 °C.

Guterres acrescenta que as “soluções são claras”, sendo possível ter “economias verdes e inclusivas”. Todos os governos, especialmente o G-20, precisam de reforçar os compromissos climáticos antes da COP-26, marcada para novembro, em Glasgow.

 A região do Mediterrâneo

O relatório prevê que as temperaturas em todo o Mediterrâneo irão aumentar mais rapidamente do que a média global, ameaçando a agricultura, pesca e turismo da região. Acresce que dezenas de milhões de habitantes enfrentarão um maior risco de escassez de água potável, inundações e calor extremo.

Prevê-se, também, que a área ardida de florestas no sul da Europa aumentará até 87% se a temperatura média da superfície terrestre aquecer até mais 2.ºC.

Embora não se preveja que seja a região do mundo mais afetada pelo aumento das temperaturas, o relatório do IPCC identifica o Mediterrâneo como o “hotspot das alterações climáticas”.


Alta de violência e repatriações agrava fragilidade de mulheres e crianças no Haiti

O Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, e a Organização Internacional para as Migrações, OIM, divulgaram alertas sobre a situação do Haiti....

Dia das Nações Unidas – Mensagem do secretário-geral da ONU

"As Nações Unidas foram criadas há 76 anos como um veículo de esperança para um mundo que emergia de um conflito catastrófico. Hoje, as...

Agências da ONU levam medicamentos e alimentos ao Afeganistão  

O Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Pnud, estão promovendo iniciativas para auxiliar a população afegã. A instabilidade...