A-Z índice do site

Covax: O que é? Como funciona? Como será distribuído? E porquê?

O COVAX (Acesso Global às Vacinas da Covid-19) é o elemento de vacinação do programa ACT-Accelerator, liderado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e os seus parceiros internacionais, para o desenvolvimento conjunto de ferramentas de combate ao vírus. O seu objetivo é distribuir dois mil milhões de doses em 2021, particularmente nos países mais pobres e imunizar 27% dos seus cidadãos.

“Ninguém está seguro até todos estarmos seguros”, é o lema da OMS desde o início desta crise global de saúde. Os especialistas em direitos humanos da ONU alertam contra o “monopólio das vacinas” detido pelos países mais ricos e insistem que estas devem ser acessíveis a todos.

Cerca de 92 países de baixo e muito baixo rendimento estão a adquirir vacinas com o apoio do COVAX, esperando-se que os cidadãos mais pobres sejam vacinados gratuitamente.

O COVAX foi lançado nos primeiros meses da pandemia, é financiado por doadores privados e pelos países mais abastados e tem como objetivo garantir que todos tenham acesso à vacinação. O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), em colaboração com a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), lidera os esforços para obter e fornecer doses aos países mais pobres.

Do total de 40 milhões de doses da vacina Pfizer-BioNTech, acordado para distribuição em 2021, 1, 200 milhões de doses deverão ser entregues a 18 países no primeiro trimestre do ano. Cerca de 336 milhões de doses da vacina AstraZeneca/Oxford serão distribuídas nos países abrangidos pelo COVAX, do Afeganistão ao Zimbábue.

No dia 24 de fevereiro, aproximadamente 600.000 doses da vacina AstraZeneca/Oxford, foram entregues ao Gana, um passo histórico da OMS em direção à distribuição equitativa de vacinas em todo o mundo. Essa remessa foi rapidamente seguida pela chegada de mais de meio milhão de doses da AstraZeneca/Oxford à Costa do Marfim.

Estas vacinas constituem parte das 90 milhões de doses que serão enviadas para África pela COVAX, na primeira metade de 2021, apoiando a vacinação de cerca de 3% da população de risco. Até ao final de 2021, espera-se que com a disponibilidade de mais vacinas e o aumento da capacidade de produção, 600 milhões de doses tenham sido distribuídas e cerca de 20% da população africana tenha sido vacinada.

A covid-19 tem causado enormes perdas humanas. Mais de dois milhões de pessoas, em todo o mundo, sucumbiram ao vírus. Muitos mais foram hospitalizados e sofrem com as consequências debilitantes da infeção. O objetivo do COVAX é conter esta trágica perda de vidas e a propagação de sintomas crónicos.

Milhões de vidas foram afetadas pelas restrições de viagens, bloqueios e outras medidas postas em prática para reduzir a propagação do vírus. Milhões perderam o seu emprego com a desaceleração da economia global. Os sistemas de saúde ficaram sobrecarregados, dificultando o acesso a tratamentos aos pacientes com doenças não relacionadas à covid-19. A OMS pretende que as vacinas fornecidas pelo COVAX contribuam para reverter estas tendências e retornar à normalidade.

O chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghrebeyesus, declarou que os esforços do COVAX não são ações de caridade: numa economia global altamente interconectada, vacinas eficazes e amplamente disponíveis, são a forma mais rápida de acabar com a pandemia, reiniciar a economia global e garantir uma recuperação sustentável. Nas palavras do chefe da organização: “ou nos afogamos ou nadamos juntos”.


ONU reforça apelo para socorrer vítimas em Cabo Delgado

O conflito na província de Cabo Delgado, em Moçambique, continua a fazer centenas milhares de vítimas. Desde 2017, os combates entre forças do governo e...

ONU elege cinco novos Estados-membros para o Conselho de Segurança

A Assembleia Geral das Nações Unidas elegeu na passada sexta-feira cinco novos membros não-permanentes para o Conselho de Segurança. O Conselho de Segurança das Nações...

António Guterres nomeado para 2.º mandato como secretário-geral

Por unanimidade, o Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU) recomendou a reeleição de António Guterres para um 2.º mandato de 5 anos como...