A-Z índice do site

Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto

Este ano, a comemoração desta data acontece sob a sombra da pandemia da covid-19, que exacerbou as injustiças e divisões de longa data e causou uma nova onda de ódio e antissemitismo.

Nas palavras do secretário-geral das Nações Unidas, “o antissemitismo é a forma mais antiga, mais persistente e enraizada de racismo e perseguição religiosa no mundo” e encontrou a sua forma mais atroz no Holocausto.

A revolta universal contra este crime, seguida da fundação da ONU e da assinatura da Declaração Universal dos Direitos Humanos, prometia o fim do ódio. Mas o antissemitismo não acabou.

Depois de décadas na sombra, as ideias racistas e xenófobas voltam a ganhar terreno, desta vez à boleia da pandemia de covid-19. Nos últimos tempos, temos assistido à negação, distorção e minimização do Holocausto. O racismo está a organizar-se por todo o mundo e a recrutar além das fronteiras, promovendo valores desumanos.

Face à ascensão de movimentos extremistas nacionalistas, o secretário-geral da ONU lembra que 2021 deve ser um ano de cura. Não só da cura da pandemia, mas também da cura das nossas sociedades polarizadas, nas quais o ódio se enraizou com demasiada facilidade.

“A história mostra que aqueles que minam a verdade acabam por se minar a si próprios. Mesmo não existindo uma vacina contra o antissemitismo e a xenofobia, a nossa melhor arma continua a ser a verdade”, lembra António Guterres, apelando a uma ação global para combater a propaganda e a desinformação.

Um sobrevivente do Holocausto mostra o número tatuado no seu braço, antes da Cerimónia Memorial do Holocausto das Nações Unidas em 2020. UN Photo/ Manuel Elias

Ao longo dos últimos 15 anos, o Programa de Divulgação do Holocausto das Nações Unidas tem amplificado o testemunho dos sobreviventes desta tragédia através de uma rede global de parceiros e várias iniciativas, incluindo recursos educativos, programas de desenvolvimento profissional, uma série de ficheiros, painéis de discussão e exposições.

Estabelecido pela Resolução 60/7 das Nações Unidas, este programa tem um simples, mas imperativo, objetivo: contar a história das vítimas de um dos crimes mais hediondos da história, não deixando que o mundo se esqueça do Holocausto e prevenindo assim futuros genocídios.

“A nossa melhor homenagem aos que morreram no Holocausto é a criação de um mundo de igualdade, justiça e dignidade para todos.” – secretário-geral da ONU, António Guterres

As Nações Unidas continuarão a combater mentiras, fanatismo e ódio de todos os tipos, para que o Holocausto nunca se repita.


António Guterres nomeado para 2.º mandato como secretário-geral

Por unanimidade, o Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU) recomendou a reeleição de António Guterres para um 2.º mandato de 5 anos como...

Enviado alerta para “efeitos drásticos da instabilidade” no Mali para a sub-região   

O Conselho de Segurança realizou uma sessão sobre o Mali, três semanas após o golpe que derrubou o governo interino do presidente Bah N’daw e do primeiro-ministro Moctar Ouane.  Na reunião, o chefe da Missão...

G7 promete 870 milhões de doses da vacina contra a covid-19

No domingo, a ONU celebrou o compromisso das nações industrializadas, lideradas pelo G7, de partilhar, pelo menos, 870 milhões da vacina contra a covid-19...