Energia é a chave para desbloquear futuro da África no pós-pandemia, diz especialista 

O Escritório da Conselheira Especial da ONU para a África defende que a aposta na energia é essencial para desbloquear o futuro continental durante a recuperação da pandemia.  

A Agenda da União Africana para as próximas quatro décadas identifica o setor energético como uma das prioridades para aumentar o potencial econômico regional. 

Transformação  

Na caminhada do continente em 2022, o departamento das Nações Unidas chama a atenção para o potencial da área energética como “um senso de extrema urgência na construção da resiliência”. 

A recomendação é expandir o acesso dos africanos à “energia confiável, acessível e sustentável” para atingir esse propósito. 

Turbinas de energia solar em Nouakchott, na Mauritânia

Pnud Mauritania/Freya Morales

Turbinas de energia solar em Nouakchott, na Mauritânia

Os efeitos beneficiariam a transformação econômica, “garantindo a segurança alimentar, digitalizando a educação, revolucionando os sistemas de saúde, construindo capacidades de manufatura e industrialização ou sustentando a paz através da criação de empregos de qualidade e prestação de serviços”. 

Corrida global 

De acordo com a especialista Bitsat Yohannes-Kassahun, “nenhum país no mundo alcançou essas ambições sem ter acesso abundante e acessível à energia.” 

No entanto, dependem da disponibilidade energética os esforços regionais para enfrentar os efeitos das mudanças climáticas, incluindo eventos adversos, escassez de água e ameaças significativas aos meios de subsistência. 

Técnico trabalha em painéis solares no telhado de um armazém no centro de Lusaka, Zâmbia

Pnud/Karin Schermbrucker

Técnico trabalha em painéis solares no telhado de um armazém no centro de Lusaka, Zâmbia

Yohannes-Kassahun acredita ainda que os africanos “estão levando a melhor na corrida global para combater as mudanças climáticas no que diz respeito à energia”. 

Crises de saúde e clima 

A especialista sublinhou que a pandemia revelou que, apesar dos melhores esforços, a região africana mostrou-se despreparada para lidar com emergências atuais que incluem a crise de saúde ou a ameaça iminente das alterações do clima. 

Ela defende que a revolução industrial da África e o alcance do potencial da Área de Livre Comércio Continental Africano dependem do acesso a uma energia confiável, acessível e adequada. 

O acesso ao recurso potenciaria a região para fornecer serviços, se adaptar aos riscos climáticos e difundir meios de subsistência sustentáveis, garantindo a paz, segurança e desenvolvimento do continente para a próxima geração. 


Direito Internacional e Justiça

Entre as maiores conquistas das Nações Unidas está o desenvolvimento de um corpo de leis internacionais, convenções e tratados que promovem o desenvolvimento económico...