A-Z índice do site

“Estamos perdendo guerra suicida contra a natureza”, afirma Guterres na COP-15

No segundo dia da 15ª Convenção das Nações Unidas sobre Diversidade Biológica, a COP-15, o secretário-geral das Nações Unidas afirmou que a humanidade está “perdendo a guerra suicida contra a natureza”. O evento acontece em Kunming, na China.

Em seu discurso, António Guterres voltou a fazer apelo para que líderes de todo o mundo implementem de forma consistente ações contra as mudanças climáticas e destruição de diversos ecossistemas.

ONU pede ações para assegurar que pessoas tenham acesso a ambientes saudáveis e reforça a participação dos indígenas, “guardiões da biodiversidade”

Pnud/Ya’axche

ONU pede ações para assegurar que pessoas tenham acesso a ambientes saudáveis e reforça a participação dos indígenas, “guardiões da biodiversidade”

Perdas

Guterres destacou que o colapso da biodiversidade pode custar até US$ 3 trilhões até 2030. Os principais impactos devem ser sentidos em países mais pobres e endividados.

Ele destaca que os efeitos já arriscam a vida de milhões, levando pessoas à fome, aumentando o desemprego e expondo populações a doenças.

Assim, o líder da ONU pede que a COP-15 traga resultados alinhados com o Acordo de Paris e trabalhe com objetivos claros para reverter o cenário até 2030.

A África abriga oito dos 36 focos de biodiversidade do mundo e estima-se que hospeda cerca de um quinto de todos os mamíferos, aves e espécies de plantas

Unep Grid Arendal/Peter Prokosch

A África abriga oito dos 36 focos de biodiversidade do mundo e estima-se que hospeda cerca de um quinto de todos os mamíferos, aves e espécies de plantas

Ações

Guterres recomenda que os trabalhos da Convenção sejam baseados em cinco pilares.

Inicialmente, o chefe das Nações Unidas pede ações para assegurar que pessoas tenham acesso a ambientes saudáveis e reforça a participação dos indígenas, que chamou de “guardiões da biodiversidade”.

Na sequência, ele afirma que as ações devem dar suporte a políticas nacionais para impedir a perda de biodiversidade e a transformação de sistemas financeiros.

Guterres acredita que o custo das atividades econômicas deve ser transparente e refletir o impacto para natureza e clima.

O chefe da ONU seguiu dizendo que será necessário um pacote de ajuda para países em desenvolvimento após os danos causados pela pandemia e o fim de auxílios a setores que poluem o meio-ambiente, redirecionando os valores para reparar os estragos deixados.

Greta Thunberg, ativista climática de 16 anos da Suécia, se une a jovens ativistas climáticos em protesto dem frente à sede da ONU em 30 de agosto de 2019.

ONU/Manuel Elias

Greta Thunberg, ativista climática de 16 anos da Suécia, se une a jovens ativistas climáticos em protesto dem frente à sede da ONU em 30 de agosto de 2019.

Jovens

No final de sua mensagem, Guterres lembrou dos jovens, que seguem se mobilizando para pedir um futuro mais sustentável para todos.

Ele conclui dizendo que a nova geração está “chorando por mudanças” e que é necessário que as lideranças sejam “corajosas e ambiciosas”.


Direito a um meio ambiente limpo e saudável: seis coisas que você precisa saber

Pela primeira vez, o órgão das Nações Unidas que tem a missão de promover e proteger os direitos humanos pelo mundo, aprovou uma resolução...

Portugal é o país da Europa que mais limpou praias em 2021

Campanha da ONU e da União Europeia incentivou pessoas a formarem equipes para recolher lixo; quase 70% das atividades foram realizadas nas praias portuguesas; pelo menos...

Dívida de países pobres bateu recorde em 2020

O Banco Mundial divulgou nesta semana dados que indicam o crescimento de 12% da dívida de países de baixa renda. O total da dívida...