A-Z índice do site

FAO: África tem potencial para vencer batalha contra a pobreza e fome

O diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, FAO, apontou o potencial da África como forma de vencer a batalha contra a pobreza e fome. Qu Dongyou falava na abertura da reunião ministerial da 31ª Sessão da Conferencia Regional da África.

FAO/Giuseppe Carotenuto

Diretor-geral da FAO, Qu Dongyu

Prioridades

A videoconferência, realizada pelo Governo do Zimbabué, em parceria com a FAO, juntou 95 responsáveis ministeriais de 48 nações, países observadores e entidades doadoras, entre outras. A maior reunião da FAO na África decorreu num momento de fome crescente no continente. As razões seriam as mudanças climáticas, conflitos e consequências da Covid-19 .

As oportunidades que perfilam no horizonte dão à FAO esperança. Qu Dongyu disse que “a Africa, sua principal prioridade, é o continente do potencial inexplorado. “O desenvolvimento rural e agrícola são as chaves para se vencer a luta contra a pobreza e fome no continente”.

Ele realçou as oportunidades para transformar o sistema agroalimentar africano, destacando novos empregos, decorrentes do mercado alimentar em crescimento, classe media urbana, e a rápida adoção das tecnologias digitais em particular pelos jovens. 

FAO/Luis Tato

Mulheres que pertencem a cooperativa de agricultores, no Quênia, apanham feijão

Quatro Melhores

O chefe da FAO mencionou a agenda de ação transformativa para construir uma organização ágil, dinâmica e inclusiva que permita aos membros alcançarem o que designou de quatro melhores: produção, nutrição, ambiente e vida. Como parte da solução, Dongyu defendeu a igualdade do género ao afirmar que deve-se consentir iguais oportunidades e direitos as mulheres rurais”.

Parcerias como a da Ação Global para o Controle da Lagarta de cereais podem reverter o quadro dos desafios existentes, garantir uma abordagem coordenada e robusta ao nível local, regional e global e desenvolver mecanismos de controle dos gafanhotos do deserto.

O diretor-geralreconheceu a liderança africana por ter priorizado a agenda do desenvolvimento agrícola, através do Programa Abrangente de Desenvolvimento da Agricultura em África, e a Declaração Malabo 2014 sobre a Transformação Agrícola. 

Pnud/Slingshot

Painéis solares no Hospital Rural de Bulawayo, no Zimbabwe.

Eixos digitais

O chefe da Agência elogiou a contribuição dos membros no Fundo Fiduciário de solidariedade da África, e convidou as delegações a designarem os locais que vão concorrer para o novo Projeto da FAO, mil aldeias digitais. A iniciativa pretende converter povoações ou cidades em eixos digitais.

Acredita-se que a ligação digital e o turismo rural possam impulsionar o aumento da resiliência e diversificar o rendimento dos agricultores.

Qu Dongyu convidou ainda as delegações a apresentarem contribuições para enriquecer o Novo Quadro Estratégico da FAO e expectativas da Cimeira dos Sistemas Alimentares da ONU 2021. Referiu as prioridades nacionais para a transformação dos sistemas agroalimentares e defendeu um compromisso político robusto como forma de se alcançar os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável 2 e 1.

Efeitos Secundários

A FAO vem ajudando os governos na execução de análises dos potenciais impactos secundários da Covid-19 nos sistemas de alimentação, mercados e agricultura. Segundo a Agência, os esforços beneficiaram 12 milhões de pessoas graças ao Programa de Recuperação e Resposta à Covid-19.

O Programa permite a FAO desenvolver ações para fazer face a pandemia de uma forma holística e compreensiva. A finalidade é mitigar os impactos imediatos e fortalecer a resiliência, a longo prazo, dos sistemas de alimentação e sustento. Está alinhado a abordagem da ONU: construir para transformar, e ligado a iniciativa da FAO, de Mãos Dadas.

Na África de Leste, a abordagem de ação antecipatória permitiu governos nacionais em colaboração com a FAO e parceiros, arrecadar mais de US$ 580 milhões em colheitas. O montante é suficiente para cobrir as necessidades anuais em cereais para 13 milhões de pessoas.
 
 


últimos artigos