Guerra na Ucrânia: Guterres chega a Moscou para conversações como “mensageiro da paz”

O secretário-geral da ONU, António Guterres, destacou a necessidade de “se manterem vivos os valores do multilateralismo” em meio à guerra na Ucrânia e seus impactos ao redor do mundo.  

Falando em Moscou na terça-feira, ele mencionou propostas que poderiam estabelecer as condições para permitir evacuações seguras dos civis e entregar a ajuda humanitária “desesperadamente necessária”, nas áreas de Donbas e Mariupol, a cidade portuária. 

O chefe da ONU esteve na capital da Rússia para conversações com o ministro das Relações Exteriores, Sergey Lavrov, e também será recebido pelo presidente do país, Vladimir Putin.  

“Discussão Franca” 

António Guterres durante a reunião com Sergey Lavrov em Moscou.

Foto: UN Russia/Yuri Kochin

António Guterres durante a reunião com Sergey Lavrov em Moscou.

Na reunião com Putin, António Guterres reiterou a posição das Nações Unidas sobre a Ucrânia e segundo seu porta-voz, os “dois discutiram propostas para assistência humanitária e evacuação de civis de zonas de conflito, especialmente em relação à situação em Mariupol.” 

O presidente Putin concordou, a princípio, com o envolvimento das Nações Unidas e do Comitê Internacional da Cruz Vermelha na evacuação de civis da usina siderúrgica de Azovstal em Mariupol.  

O seguimento das discussões será feito entre o Ministério da Defesa da Rússia e o Escritório da ONU para Coordenação de Assuntos Humanitários, Ocha. 

Guterres contou a jornalistas que teve “uma discussão bastante franca com Lavrov” e que está “claro que existem duas posições diferentes sobre o que está acontecendo na Ucrânia”.  

De acordo com a Rússia, o que ocorre é uma “operação especial militar” na Ucrânia, enquanto para a ONU, a invasão iniciada em 24 de fevereiro é uma “violação da integridade territorial do país e vai contra a Carta das Nações Unidas.” 

António Guterres disse ter “uma profunda convicção de que quanto antes a guerra acabar, será melhor – para o povo da Ucrânia, para o povo da Federação Russa e para todos aqueles que estão além.” 

Destacando seu papel como “mensageiro da paz”, o secretário-geral relembrou que a ONU já fez repetidos apelos por cessar-fogo para proteger civis, assim como por diálogos políticos para uma solução, o que ainda não aconteceu.  

Fazendo referência à “batalha violenta” em Donbas, no leste da Ucrânia, ele observou que muitos civis estão sendo assassinados, centenas de milhares foram sitiados pelo conflito, acrescentando que diversos relatórios sobre violações, assim como possíveis crimes de guerra, precisarão de uma investigação independente para uma responsabilização eficaz.  

Corredores Humanitários  

António Guterres pediu ainda “com urgência, corredores humanitários que sejam verdadeiramente seguros e eficientes e que sejam respeitados por todos para a evacuação de civis e entregar de assistência tão necessária.” 

O secretário-geral propôs o estabelecimento de um Grupo de Contato Humanitário – formado por Rússia, Ucrânia e ONU – “para buscar oportunidades para a abertura de corredores seguros, com a cessação local das hostilidades, e para garantir que sejam realmente eficazes.” 

Ao mencionar “crise dentro da crise” em Mariupol, onde milhares estão em necessidade extrema de ajuda vital, e muitos, evacuação, ele destacou que a ONU está preparada para mobilizar recursos humanos e logísticos para ajudar a salvar vidas. 

Multilateralismo 

Guterres propôs um trabalho coordenado entre Nações Unidas, Comitê Internacional da Cruz Vermelha, forças da Ucrânia e da Federação Russa para permitir a evacuação segura dos civis que desejam sair de Mariupol, tanto de dentro da planta siderúrgica de Azovstal e da própria cidade, em qualquer direção que escolham, e para entrega de assistência humanitária.  

António Guterres lembrou que quanto antes a paz for estabelecida, será melhor para Ucrânia, Rússia e para o mundo, destacando ainda ser muito importante, “mesmo neste momento de dificuldade, manter vivos os valores do multilateralismo.” 

Ondas globais de choque  

Falando sobre os impactos mais amplos da guerra, o secretário-geral mencionou algumas “ondas de choque” sentidas ao redor do mundo, como a “aceleração dramática” nos preços dos alimentos e da energia, que estão afetando especialmente milhões das pessoas mais vulneráveis do mundo.  

Guterres declarou que “isso surge no topo do choque da continuação da pandemia e do acesso desigual de recursos para recuperação, que penalizam em particular países em desenvolvimento ao redor do mundo. Assim, quanto mais rápida a paz for estabelecida, melhor – pelo bem da Ucrânia, da Rússia e do mundo”, afirmou.  

Mundo multipolar 

Ele acrescentou ser “muito importante, mesmo nesse momento de dificuldade, se manterem vivos os valores do multilateralismo”.  

O secretário-geral falou sobre a necessidade de um mundo “multipolar”, que cumpra a Carta da ONU e a lei internacional, e que reconheça a total equidade entre Estados, na esperança de que a humanidade novamente se una para tratar de desafios comuns como mudança climática “e onde a única guerra que tenhamos seja aquela guerra que coloca o planeta em risco.” 

O secretário-geral estará na Ucrânia na quinta-feira, onde terá uma reunião de trabalho com o ministro das Relações Exteriores, Dmytro Kuleba, e será recebido pelo presidente Volodymyr Zelensky.  


Direito Internacional e Justiça

Entre as maiores conquistas das Nações Unidas está o desenvolvimento de um corpo de leis internacionais, convenções e tratados que promovem o desenvolvimento económico...