A-Z índice do site

Guterres considera distribuição desigual de vacinas um “ultraje moral” 

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, criticou esta segunda-feira, os países desenvolvidos por acumularem as vacinas da covid-19, considerando que é um “ultraje moral a incapacidade de se assegurar igualdade no processo de vacinação.  

No discurso de abertura do Conselho de Direitos Humanos da ONU, Guterres constatou que “10 países administraram 75% de todas as vacinas da covid-19, enquanto que 130 países ainda não receberam uma única dose.”

Para o líder da ONU, a equidade da vacina é uma questão de direitos humanos” e deve “ser um bem público global e acessível para todos.” Guterres também expressou a sua preocupação com o facto de o vírus estar a infetar os direitos civis e políticos, reduzindo ainda mais o espaço cívico.” 

O chefe da ONU destacou que a pandemia está a ser utilizada como pretexto, em alguns países, para implementar respostas de segurança severas e medidas de emergência que estão a esmagar os dissidentes, a criminalizar as liberdades básicas, a silenciar os relatórios independentes e a restringir as atividades de organizações não governamentais. 

Na abertura de mais uma sessão do Conselho dos Direitos Humanos, António Guterres alertou para a injusta distribuição das vacinas contra a covid-19.

Tecnologia digital  

O secretário-geral da ONU também apelou aos Estados-membros que ponham os direitos humanos no centro da regulação e da legislação das tecnologias digitais, lembrando que a ONU criou o Plano para a Cooperação Digital – Roadmap for Digital Cooperation – porque é necessário criar um futuro digital seguro, igualitário e aberto que não ponha em causa o direito à privacidade e à dignidade.  

Guterres afirmou ainda que há informação útil sobre a covid-19  que tem sido ocultada, ao mesmo temp o que  tem sido amplificada muita desinformação, incluindo por pessoas que estão no poder.  

No seu discurso, o secretário-geral da ONU constatou que a desinformação evidencia o alcance crescente das plataformas digitais e dos abusos na utilização de dados, mostrando-se também preocupado com a enorme biblioteca de dados que tem sido compilada sobre todos nós”, dados que “têm sido utilizados para formatar e manipular as nossas perceções sem nos darmos conta.” 

Para Guterres, os governos podem explorar essa informação para controlar o comportamento dos seus cidadãos, violando os direitos humanos de indivíduos e de grupos: “Tudo isto não é ficção científica ou a antecipação de uma distopia do século XXII. Está acontecer aqui e agora e requer uma discussão séria”, sublinhou Guterres.  


últimos artigos

Agência alarmada com “expulsão coletiva” de migrantes entre Grécia e Turquia

Em comunicado, Organização Internacional para Migrações, OIM, classificou imagens veiculadas na imprensa mostrando uso de equipamentos de resgate para expulsar migrantes do leste do...