Mensagem do Secretário-Geral para o Dia do Fim da Impunidade de Crimes Contra Jornalistas, 02 de novembro de 2015

Hoje lembramos os jornalistas e funcionários dos meios de comunicação que foram mortos no cumprimento do dever.

Mais de 700 jornalistas foram mortos na última década – um a cada cinco dias – simplesmente por trazer notícias e informação ao público.

Muitos morreram nos conflitos que cobriram de forma destemida. Ao mesmo tempo, muitos jornalistas foram deliberadamente silenciados por tentar relatar a verdade. Apenas 7 por cento dos casos são resolvidos e menos de um em cada dez crimes são investigados na sua totalidade.

Essa impunidade aprofunda o medo entre os jornalistas e permite que governos continuem a perpetuar a censura.

Temos de fazer mais para combater esta tendência e certificar-nos que os jornalistas possam informar livremente. Os jornalistas não deveriam ter que se autocensurar por temerem pelas suas vidas.

O Dia Internacional pelo Fim da impunidade de Crimes contra Jornalistas foi proclamado pela Assembleia-Geral das Nações Unidas para destacar a necessidade urgente para proteger os jornalistas e para relembrar o assassinato de dois jornalistas franceses no Mali a 2 de novembro de 2013.

Aplaudo a UNESCO por liderar o Plano de Ação da ONU sobre a Segurança de jornalistas e da questão da impunidade – um poderoso mecanismo de junção dos esforços de agências das Nações Unidas, governos, sociedade civil, universidades e meios de comunicação.

Juntos, temos de acabar com o ciclo de impunidade e proteger o direito dos jornalistas

De falar a verdade ao poder.


Direito Internacional e Justiça

Entre as maiores conquistas das Nações Unidas está o desenvolvimento de um corpo de leis internacionais, convenções e tratados que promovem o desenvolvimento económico...