Mensagem do Secretário-geral para o Dia Mundial de Luta Contra o Cancro, 4 de fevereiro de 2016

O Dia Mundial de Luta Contra o Cancro, que é sempre uma oportunidade para mobilizar o mundo para este tema, tem um ímpeto especial, este ano, graças à recente adoção da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, que tem por objetivo proporcionar uma vida digna para todas as pessoas.

Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, aprovados por todos os governos, apelam à redução em um terço das mortes prematuras causadas por doenças não transmissíveis. Uma meta que se baseia num compromisso histórico assumido, em 2011, pelos Chefes de Estado. Também nos serve de guia a “Estratégia Global para a Saúde das Mulheres, Crianças e Adolescentes” e o  movimento “Cada Mulher, Cada Criança”, que desenvolvem esforços para obter melhores sistemas de saúde, uma cobertura universal de cuidados de saúde e a intensificação das intervenções para a prevenção e controlo do cancro, salvando mais vidas.

Temos de fazer mais para acabar com as inúmeras tragédias que o cancro inflige. Cerca de um terço dos cancros podem ser prevenidos, enquanto que outros podem ser curados se diagnosticados e tratados atempadamente. E mesmo quando o cancro se encontra em estado avançado, os pacientes devem poder beneficiar de cuidados paliativos.

O cancro afeta todos os países, mas aqueles que têm menos recursos sofrem impactos mais severos. Não há melhor exemplo do que o do cancro do colo do útero. Nos países mais pobres do mundo vivem oito em cada 10 mulheres diagnosticadas com cancro do colo do útero, e nove em cada 10 morrem da doença.

Embora seja de aplaudir o progresso no rastreio do cancro do colo do útero em muitos países com alto rendimento, temos a responsabilidade de replicar esse progresso nos países com menor rendimento, onde o cancro do colo do útero permanece um dos cancros mais comuns entre as mulheres.

Atualmente, temos o conhecimento, a experiência e os instrumentos necessários para proteger todas as mulheres, em todo o mundo. Uma prevenção abrangente contra o cancro do colo do útero inclui vacinas para proteger as raparigas contra a eventual infeção pelo Vírus do Papiloma Humano, medidas de rastreio e de tratamento precoce do cancro.

O lugar onde uma pessoa vive não deve determinar se desenvolve um cancro ou se morre por causa dele. Temos de trabalhar juntos para eliminar o cancro do colo do útero, que é um assunto de saúde pública, e reduzir o sofrimento em que vivem milhões de pessoas com vários tipos de cancro.

No Dia Mundial de Luta Contra o Cancro tomemos a decisão de terminar com a injustiça do sofrimento evitável causado por esta doença, algo que deve ser parte do nosso esforço maior para não deixar ninguém para trás.


Direito Internacional e Justiça

Entre as maiores conquistas das Nações Unidas está o desenvolvimento de um corpo de leis internacionais, convenções e tratados que promovem o desenvolvimento económico...