Mundo registrou cerca de 281 milhões de migrantes internacionais no ano passado

As Nações Unidas lançaram, esta quarta-feira o Relatório Mundial sobre Migração 2022. Segundo o documento, havia 281 milhões de migrantes internacionais, no ano passado, o equivalente a 3,6 % da população global.

O aumento ocorreu apesar do impacto dramático da pandemia sobre a migração, que incluiu o fechamento de fronteiras. O estudo revela 108 mil restrições para conter a Covid-19 afetaram a mobilidade, mas não impediram o movimento entre os países.

População

Em 2019, a Organização Internacional para Migrações, OIM, contabilizou 272 milhões de migrantes internacionais ou 3,5% da população global.  

Uma cifra 200 milhões acima da década de 70, quando o total de migrantes internacionais eram 2,3% da população mundial.

Diretor-geral da OIM, António Vitorino, diz que o mundo vive um paradoxo jamais visto

OIM//Alexander Bee

Diretor-geral da OIM, António Vitorino, diz que o mundo vive um paradoxo jamais visto

E segundo a OIM, não fora a pandemia, o mundo teria hoje, mais 2 milhões de migrantes internacionais.

O documento destaca que apesar do crescimento da migração internacional, o número de deslocados internos subiu para 55 milhões devido a desastres, conflitos e violência no ano passado.

Paradoxo

Cerca de 40,5 milhões de pessoas foram forçadas a fugir em 2020, contra 31,5 em 2019.

Para o diretor-geral da OIM, António Vitorino, o mundo vive um paradoxo jamais visto. Enquanto bilhões de pessoas foram imobilizados pela Covid-19, outras dezenas de milhões se deslocaram dentro de seus próprios países.”

O Brasil, por exemplo, foi o quinto maior destino de venezuelanos ao lado de Colômbia, Peru, Chile e Equador na região. O relatório apresenta o Brasil como  modelo por conceder vistos humanitários a muitos refugiados e migrantes.

América do Sul

Considerado a maior fonte de remessas da América Latina e Caribe com saídas de US$ 1,6 bilhão, no ano passado, o Brasil é o terceiro lugar com mais deslocados internos por desastres naturais.

Foram 358 mil pessoas na situação, depois das Honduras com 937 mil e Cuba com 639 mil.

Funcionária da OIM fala com pessoas afetadas pelas enchentes em Timor-Leste

Foto OIM

Funcionária da OIM fala com pessoas afetadas pelas enchentes em Timor-Leste

Portugal é citado pela OIM por ser o terceiro europeu com mais mulheres migrantes enfrentando desemprego do que homens vivendo na mesma situação.

Remessas  

Mas as autoridades portuguesas libertaram pessoas detidas por questões de imigração para conter riscos de transmissão nas instalações. O país é o 14º ponto de origem global de migrantes.

Cabo Verde é a quinta nação do mundo que mais recebeu remessas de migrantes em 2020, depois da Somália, do Sudão do Sul, do Lesoto, da Gâmbia. No geral as remessas para a África diminuíram cerca de 3 % em comparação com 2019.

Angola e Moçambique vêm depois da África do Sul como os principais países de origem das remessas no continente.


Guterres lamenta que antissemitismo esteja reaparecendo 77 anos após fim do Holocausto

Foi realizada na noite desta terça-feira, na sinagoga Park East, em Nova Iorque, uma cerimônia para marcar os 77 anos da libertação de Auschwitz e...

ODS 1 -A luta para erradicar a pobreza

O primeiro Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS 1) foca-se na erradicação da pobreza extrema em todo o mundo, que afeta as pessoas que vivem...

ONU preocupada com presidente e segurança após golpe militar em Burquina Fasso

O secretário-geral das Nações Unidas afirmou que acompanha com grande preocupação os eventos em Burquina Fasso. Nesta segunda-feira, António Guterres disse estar particularmente apreensivo com a segurança do chefe de Estado e a instabilidade...