ONU alerta que 1% da população mundial está deslocada

A Agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) está a apelar a todos os países que aumentem esforços para encontrar casas para os milhões de refugiados e pessoas deslocadas por conflitos, perseguições ou situações de instabilidade.
Num relatório lançado dois dias antes do Dia Mundial do Refugiado, lê-se que o número de pessoas forçadas a deslocarem-se do seu local de origem afeta agora cerca de 1% da Humanidade – 1 em cada 97 pessoas – com cada vez menos pessoas a conseguirem regressar a casa. Segundo o relatório Global Trends, do ACNUR, 79.5 milhões de pessoas estavam deslocadas no final de 2019, um valor recorde.
O relatório também dá nota que o cenário de regresso a casa é cada vez mais difícil para mais refugiados. Nos anos 90, em média 1,5 milhão de refugiados conseguiam voltar para casa todos os anos. Na última década, este número caiu para cerca de 385 mil. O alto-comissário da ONU para os Refugiados, Filippo Grandi, reconhece que “estamos a assistir agora a uma realidade diferente em que há mais deslocados por mais tempo”, alertando que “não se pode esperar que as pessoas vivam num estado de revolta por anos a fio, sem oportunidade de voltar para casa, nem esperança de construir um futuro.”
O relatório do ACNUR mostra também que dos 79.5 milhões de deslocados, 45.7 milhões estão no próprio país. Os outros encontram-se noutros países, dos quais, 4.2 milhões aguardam reposta ao pedido de asilo, enquanto que 29.6 milhões são refugiados.
Segundo o ACNUR, o aumento do número de deslocados, de 70.8 milhões em 2018 para 79.5 em 2019, resulta da instabilidade que se vive na República Democrática do Congo, no Sahel, no Iémen, na Síria e ainda na Venezuela.
8 coisas que deve saber sobre a deslocação forçada:
  • Pelo menos 100 milhões de pessoas foram forçadas a saírem de suas casas na última década, mais do que a população do Egito, o 14º país mais populoso do mundo.
  • O número de pessoas que foram forçadas a deslocarem-se quase que duplicou desde 2010 (41 milhões vs 79.5 milhões)
  • 80% das pessoas deslocadas estão em países ou territórios afetados por grave insegurança alimentar e malnutrição.
  • Mais de três quartos dos refugiados do mundo (77%) são deslocados a longo prazo – por exemplo a situação no Afeganistão que se arrasta há cinco décadas.
  • Mais de oito em cada dez refugiados (85%) estão em países em desenvolvimento, geralmente num país vizinho.
  • Cinco países representam dois terços das pessoas deslocadas para outro país: Síria, Venezuela, Afeganistão, Sudão do Sul e Mianmar.
  • Este relatório contabiliza todas as principais populações deslocadas e refugiadas, incluindo os 5,6 milhões de refugiados palestinos que estão sob os cuidados da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Médio Oriente (UNRWA).
  • O compromisso da Agenda para o Desenvolvimento Sustentável de 2030 de “não deixar ninguém para trás” agora inclui explicitamente refugiados, graças a um novo indicador de refugiados aprovado pela Comissão de Estatística da ONU em março deste ano.