ONU profundamente preocupada com segurança de civis em Palma, Moçambique 

A ONU e parceiros humanitários estão profundamente preocupados com a segurança dos civis na cidade de Palma, no norte de Moçambique, após um ataque por grupos armados.  

A ofensiva ocorreu em 24 de março, e segundo agências de notícias, terroristas e extremistas islâmicos teriam assumido o controle de partes da cidade, que fica perto de Pemba, capital de Cabo Delgado. 

Verificar informações 

Em nota emitida, nesta segunda-feira, o porta-voz do secretário-geral informou que as comunicações na cidade estão interrompidas e é extremamente difícil verificar os detalhes e desdobramentos no país africano de língua portuguesa. 

Acnur/Martim Gray Pereira

Agências da ONU estão apoiando pessoas deslocadas pela violência

Apesar das dificuldades, a ONU recebeu relatos alarmantes de que dezenas de civis podem ter sido mortos durante os ataques. 

A ONU calcula que milhares fugiram de Palma a pé, de barco e pela estrada para escapar da violência. Muitos só levam a roupa do corpo, algumas pessoas entraram pelas matas e precisam de ajuda urgente. 

As Nações Unidas e seus parceiros estão posicionando equipes de assistência humanitária. 

Mas a organização precisa de financiamento adicional para responder a esta nova crise. 

Crise alimentar 

O Programa Mundial de Alimentos, PMA, expressou preocupação com o agravamento da crise e a situação de segurança alimentar na região.  

A agência está enviando 2 mil rações de resposta imediata para apoiar a população deslocada, caso cheguem a Pemba, Ilha de Ibo ou Mueda. 


Outros 2 mil kits de rações de resposta estão sendo posicionados para apoiar as populações deslocadas na parte sul do distrito de Palma.  

 A assistência alimentar adicional foi temporariamente suspensa como resultado da violência contínua. 

O Serviço Aéreo Humanitário administrado pelo PMA está apoiando a evacuação de civis, incluindo mulheres e crianças e equipes médicas foram mobilizadas para tratar os feridos. 

Reunião virtual com Estados Unidos  

E numa nota separada, emitida pelo seu porta-voz, o secretário-geral da ONU, António Guterres, realizou uma reunião virtual com o secretário de Estado americano, Anthony Blinken.  

Os dois debateram a necessidade de um maior esforço global para conter a pandemia da Covid-19 assim como aumentar as ações de combate à mudança climática. Um passo que para Guterres envia uma mensagem de esperança ao mundo.  

Guterres elogiou o retorno dos Estados Unidos à Organização Mundial da Saúde, OMS, ao Acordo de Paris e o que chamou de “reengajamento” do governo de Washington com o Conselho de Direitos Humanos da ONU.  

Departamento de Estado dos EUA/Freddie Everett

Na semana passada, secretário de Estado dos EUA, Antony J. Blinken, participou em encontro do Conselho de Segurança da ONU

G-20  

O chefe das Nações Unidas afirma que é preciso criar uma força-tarefa de emergência para coordenar um plano global de vacinação.   

Ele sugeriu a proposta ao G-20, o Grupo das 20 maiores economias do mundo que inclui o Brasil, e disse que não será possível alcançar este passo sem a liderança efetiva dos Estados Unidos.  

Ao assumir a palavra, Blinken disse que a ONU é a “âncora do sistema multilateral” e que a cooperação com a organização é vital para os Estados Unidos por ser o lugar onde os países se reúnem para responder aos desafios comuns.  

A embaixadora dos Estados Unidos junto à ONU, Linda Thomas-Greenfield, também participou da reunião virtual.  


Direito Internacional e Justiça

Entre as maiores conquistas das Nações Unidas está o desenvolvimento de um corpo de leis internacionais, convenções e tratados que promovem o desenvolvimento económico...