A-Z índice do site

Programa Alimentar Mundial da ONU ganha Prémio Nobel da Paz

O Comité Norueguês do Nobel anunciou hoje que o Programa Mundial Alimentar receberá o Prémio Nobel da Paz de 2020.

O Programa Alimentar Mundial recebe o Prémio “pelos seus esforços no combate à fome, pela sua contribuição para melhorar as condições de paz em áreas afetadas por conflitos e por atuar como uma força motriz nos esforços para prevenir o uso da fome como arma de guerra e de conflito, explicou o presidente do Comité do Prémio Nobel da Paz, Berit Reiss Andersen.

O PAM entrega alimentos nos acampamentos de deslocados internos de Darfur do Norte. Dez caminhões do Programa Mundial de Alimentos (WFP), com dois contentores cada, entreguem 350 toneladas de alimentos (óleo e sorgo) aos acampamentos de Nifasha e Shaddad. A viagem levou mais de oito horas devido às difíceis condições da estrada e aos desafios de segurança para o comboio, que foi protegido por tropas da Etiópia e de Ruanda da Operação Híbrida União Africana-Nações Unidas em Darfur (UNAMID). Foto: ONU/Albert González Farran

O Programa Mundial de Alimentos (PMA) é o braço de assistência alimentar das Nações Unidas e a maior organização humanitária do mundo que trata da fome e promove a segurança alimentar. De acordo com o PMA, todos os anos, fornece assistência alimentar a uma média de 91,4 milhões de pessoas em 83 países.

A erradicação da fome é um dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável adotados pelos 193 Estados-Membros das Nações Unidas em 2015.

“Nos últimos anos, a situação mudou. Em 2019, 135 milhões de pessoas sofreram de fome aguda, o maior número em muitos anos. A maior parte desse aumento foi causada por guerra e conflito armado ”, afirmou o Comité do Nobel em comunicado.

A pandemia de coronavírus contribuiu para um aumento acentuado no número de pessoas famintas em todo o mundo. As novas estimativas do PMA mostram que o número de pessoas com fome nos países onde opera pode chegar a 270 milhões até ao final do ano, um aumento de 82% em relação ao período anterior à pandemia.

“Perante a pandemia, o Programa Mundial de Alimentos demonstrou uma capacidade impressionante de ampliar os seus esforços” e que  “o mundo corre o risco de uma crise de fome de magnitude inconcebível se o Programa Mundial de Alimentos e outras organizações de ajuda alimentar não receberem o apoio financeiro que solicitaram”, adiantou ainda o Comité.

O Programa Alimentar Mundial participou ativamente do processo diplomático que culminou em maio de 2018 na adoção unânime pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas da Resolução 2417, que pela primeira vez abordou explicitamente a ligação entre conflito e afome. O Conselho de Segurança também destacou a obrigação dos Estados-membros das Nações Unidas de ajudar a garantir que a ajuda alimentar chegue aos necessitados e condenou o uso da fome como método de guerra.

Com o prémio deste ano, o Comité Norueguês do Nobel deseja “voltar os olhos do mundo para os milhões de pessoas que sofrem ou são ameaçadas pela fome”.

O PMA, diz ainda o comunicado, “contribui diariamente para o avanço da irmandade das nações mencionada no testamento de Alfred Nobel. Como a maior agência especializada das Nações Unidas, o Programa Mundial de Alimentos é uma versão moderna dos congressos de paz que o Prémio Nobel da Paz deve promover ”.

“O trabalho do Programa Mundial de Alimentos para o benefício da humanidade é um empreendimento que todas as nações do mundo deveriam ser capazes de endossar e apoiar”, concluiu o Comité.


últimos artigos