Unesco adota acordo histórico sobre valores e princípios da inteligência artificial

Quem já reservou um bilhete aéreo, pediu um empréstimo ou assistiu a um veículo sem condutores em ação, entrou em contato com a inteligência artificial sem mesmo perceber.

A tecnologia, presente no dia a dia, também é usada em exames de prevenção ao câncer e em formas de adaptação de ambientes a pessoas com deficiência, por exemplo. Mas como proteger usuários de possíveis riscos e comportamentos antiéticos gerados pela inteligência artificial, IA?

Para a Unesco, a inteligência artificial é boa para a humanidade e precisa ter seus riscos reduzidos

Unsplash/Michael Dziedzic

Para a Unesco, a inteligência artificial é boa para a humanidade e precisa ter seus riscos reduzidos

Riscos

A Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, Unesco, lembra que a técnica apoia governos e setor privado em seus processos de decisão e auxilia no combate a problemas globais como a fome mundial e a mudança climática. Mas ela também traz desafios. Um deles é o aumento de atitudes tendenciosas de gênero e étnica, ameaças à privacidade, dignidade e perigos de vigilância em massa além de uso inseguro de tecnologias na aplicação da lei. Sem padrões, muitos desses desafios ficam sem respostas.

Montadoras de carros estão usando cada vez mais a inteligência artificial para controlar veículos

Unsplash/David von Diemar

Montadoras de carros estão usando cada vez mais a inteligência artificial para controlar veículos

Humanidade

Na quinta-feira, a Unesco adotou o primeiro Tratado sobre Inteligência Artificial. O objetivo é guiar a construção da infraestrutura legal para assegurar o desenvolvimento ético desse tipo de tecnologia.

A chefe da Unesco, Audrey Azoulay, disse que o mundo precisa de regras sobre a IA para que toda a humanidade seja beneficiada. Com o tratado, surge o primeiro quadro normativo que oferece aos Estados a responsabilidade de aplicar essas normas.

Para a Unesco, a inteligência artificial é boa para a humanidade e precisa ter seus riscos reduzidos. A transformação digital também tem que permitir os direitos humanos e o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Na área da saúde, a Inteligência Artificial ajuda a que os pacientes tenham maior controle de seus próprios cuidados

Unsplash/Possessed Photography

Na área da saúde, a Inteligência Artificial ajuda a que os pacientes tenham maior controle de seus próprios cuidados

Luta

A IA tem ainda que tratar de temas como prestação de contas, privacidade, educação, cultura, saúde e economia. O texto lembra que os atores de inteligência artificial devem ser a favor dos dados, energia e métodos eficientes de recursos que ajudem a tecnologia a se tornar uma ferramenta importante na luta contra a mudança climática.

A vice-chefe da Unesco, Gabriela Ramos, afirma que decisões que impactam milhões de pessoas no mundo têm de ser justas, transparentes e passíveis de contestação.
 


Ajuda humanitária chega aos refugiados em Tigray, após semanas de acesso interrompido

Pela primeira vez em semanas, equipes de ajuda humanitária das Nações Unidas chegaram a campos de refugiados na região de Tigray, na Etiópia. Após...

Tonga: Ajuda humanitária começar a chegar após reabertura de aeroporto

De acordo com Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários, Ocha, o governo de Tonga solicitou ajuda urgente após as consequências...

Covid-19: OMS nas Américas quer vacinar 70% da população até meados de 2022

A Organização Pan-Americana da Saúde, Opas, aposta em vacinar pelo menos 70% dos habitantes das Américas até meados deste ano. A marca de 100 milhões...