A-Z índice do site

Filme português entre os 60 finalistas do Mobile Film Festival

“From Maria”, realizado por Ana Moreira, conquistou um lugar entre os 60 filmes escolhidos para a Seleção Oficial do Mobile Film Festival (MFF).

Criado  em 2005, o Mobile Film Festival é um festival internacional de curtas-metragens, que conta com o apoio do Centro Regional de Informação das Nações Unidas para a Europa Ocidental (UNRIC), e que tem um conceito único: 1 telemóvel, 1 minuto, 1 filme. O objetivo é descobrir, apoiar e acompanhar talentos de todo o mundo para que estes se tornem os realizadores do futuro.

A temática desta edição foi o Empoderamento das Mulheres  e a adesão do público bateu recordes. 1.130 filmes chegaram de 101 países do mundo, 57% foram realizados por mulheres. O corpo feminino, a igualdade, a liberdade de identidade e a violência sobre  as mulheres foram alguns dos assuntos abordados pelos participantes. Das 1.130 submissões,  foram selecionados 60 filmes para integrar a Seleção Oficial do Festival.

Falámos com Ana Moreira, a jovem de 25 anos natural de Paredes, que representa Portugal nesta seleção, com o filme “From Maria” sobre a igualdade de género, numa perspetiva intergeracional.

Ana Moreira, 25, natural de Paredes, vive no Porto desde os 14 anos.

ONU: Como tiveste conhecimento do Mobile Film Festival? É a primeira vez que participas?

Ana Moreira (AM):  Tive conhecimento do Mobile Film Festival através de uma newsletter com promoção de alguns festivais. A temática “Women’s Empowerment” despertou-me o interesse e a particularidade de ser gravado com o telemóvel e com apenas 1 minuto de duração fez com que eu avançasse com a proposta para este projeto. Faço parte da produtora audiovisual responsável pela produção deste filme, Golpe Filmes (sediada no Porto) onde apresentei o festival e a vontade de participar com a equipa. Foi a primeira vez que participei num festival deste tipo.

ONU: O filme que realizaste retrata algumas das desigualdades das quais as mulheres são constantemente vítimas. Quais são as razões que te levaram a criar este filme? 

AM: Eu queria fazer um filme que falasse de forma abrangente e direta dos problemas socioeconómico e políticos existentes associados ao género feminino, que eles tocassem naqueles que são os princípios da matéria do empoderamento das mulheres e que mostrasse simultaneamente que ainda há um longo caminho a percorrer, que o trabalho não está feito e que podemos todos ser um peão positivo nesta luta ainda sem fim à vista. Há claro ainda o fator de ser mulher e ter uma proximidade e conhecimento de causa dos problemas levantados no filme.

As atrizes do “From Maria”, durante as gravações. Foto: António Morais

ONU: Nesta competição foram submetidos 1130 filmes, de 101 países. Como te sentes por fazer parte dos 60 finalistas?

AM: É com grande felicidade que recebo esta seleção juntamente com a minha equipa na Golpe Filmes, ainda mais sendo os únicos representantes de Portugal. Num país onde já existem algumas vozes ativistas e educativas na matéria, fazer parte deste movimento é não só motivo de orgulho, mas sobretudo fundamental.

ONU: Sendo uma mulher e jovem, que passos é que, na tua opinião, são ainda necessários dar para que haja uma igualdade de género efetiva?

AM: Acho que o pilar crucial da igualdade de género assenta em questões socio-políticas. É necessário o reforço de leis de paridade que promovam a igualdade de género no espaço laboral e permitam a mais mulheres atingir postos de chefia; é necessário o apoio à educação completa das mulheres independentemente da sua origem, cultura e capital; é necessário o aumento da proteção e consecutiva ação judicial nas mulheres vítimas de assédio, violação, violência doméstica e outras formas de violência; mas sobretudo é necessária a reformulação da educação de todos, sobretudo crianças e jovens, para que se quebrem padrões sexistas intrinsecamente afetos à sociedade com vista a que um dia, e esperamos que esse dia seja breve, possamos todos disfrutar de uma sociedade livre e com os mesmos direitos.

Nos últimos quatro anos, o MFF realizou 5 edições internacionais, ao longo das quais recebeu 4.000 filmes de um total 132 países, registou 78 milhões de visualizações e entregou 229.000 euros em prémios!

Para conhecer os restantes finalistas, carregue aqui. https://bit.ly/2UsuP2Q


últimos artigos