A-Z índice do site

G7 promete 870 milhões de doses da vacina contra a covid-19

No domingo, a ONU celebrou o compromisso das nações industrializadas, lideradas pelo G7, de partilhar, pelo menos, 870 milhões da vacina contra a covid-19 de forma a garantir o acesso global e o fim da fase aguda da pandemia.

Aproveitando o impulso da Conferência Mundial de Saúde do G20 e da Conferência Gavi COVAX AMC, num acordo histórico na Conferência do G7 – que decorre na Cornualha, Reino Unido – os líderes mundiais fizeram esta promessa, com o objetivo de garantir pelo menos metade das doses até ao final de 2021.

“O acesso equitativo às vacinas contra a covid-19 representa, para todos nós, o caminho mais imediato para sair desta pandemia – a inclusão das crianças e os compromissos anunciados pelo G7 … são um passo importante nessa direção”, declarou em comunicado de imprensa a diretora executiva do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Henrietta Fore.

Como já tinha afirmado anteriormente o secretário-geral António Guterres, apesar do acesso “desigual e muito injusto” às vacinas, “é do interesse de todos que todos sejam vacinados mais cedo ou mais tarde”.

Os líderes do G-7 também reafirmaram seu apoio à iniciativa de distribuição equitativa de vacinas COVAX, liderada pela ONU, denominando-a “a principal via de fornecimento de vacinas aos países mais pobres”.

Ação imediata, por favor

A aliança COVAX, por sua vez, celebrou o compromisso do G7 e reafirmou o seu apoio à exportação de vacinas em proporções significativas e à promoção do licenciamento voluntário e da produção mundial sem fins lucrativos.

Os parceiros esperam “ver chegar as doses aos países” o mais rapidamente possível.

A COVAX trabalhará com o G7 e outros países disponíveis a aumentar partilha de vacinas o mais rapidamente e equitativamente possível, de forma a ajudar a resolver as restrições de oferta que afetam, atualmente, a resposta mundial à covid-19 e minimizar a perspetiva de futuras variantes mortais.

“Alcançámos um marco negro nesta pandemia: já há mais mortos de covid-19 em 2021 do que em todo o ano passado”, lamentou a diretora executiva da UNICEF. “Sem ações urgentes, estas perdas irão aumentar”.

Alinhando interesses

Sublinhando a necessidade de um aumento significativo, tanto em quantidade como em ritmo de fornecimento, Fore atestou que, quando se trata de acabar com a pandemia da covid-19, “os nossos interesses alinham-se. Esta crise só terminará quando terminar para todos”.

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, enfatizou que muitos países estão a enfrentar um aumento de casos, sem acesso a vacinas.

“Estamos na corrida das nossas vidas, mas não é uma corrida justa, e a maioria dos países mal saiu da linha de partida”, afirmou o diretor-geral da OMS.

Embora esteja grato pela promessa de generosas doações de vacinas, enfatizou que “precisamos de mais e mais rapidamente”.

Uma corrida contra o tempo

Enquanto muitos países desenvolvidos começam a contemplar a vida pós-vacinação, o futuro nos países em vias de desenvolvimento não é brilhante.

“Estamos particularmente preocupados com os surtos na América do Sul, Ásia e África”, declarou a diretora da UNICEF.

À medida que a pandemia se intensifica, o vírus sofre mutações e produz novas variantes que podem ameaçar tanto os vacinados como os não vacinados.

“Doar doses é uma política inteligente que satisfaz os nossos interesses coletivos”, continuou Fore, acrescentando que, além das promessas de partilha de vacinas, “a distribuição e a prontidão precisam de prazos claros” de quando estarão disponíveis, especialmente em países com infraestrutura de saúde precária.

“A pandemia da covid-19 mudou a vida das crianças em todos os aspetos: saúde, educação, proteção e prosperidade futura. Agora, mais do que nunca, o que fazemos terá um impacto significativo e duradouro nos nossos amanhãs coletivos. Não há tempo a perder”, concluiu.

O G7 e o COVAX

O G7 é reúne as economias mais avançadas do mundo e é constituído pelo Canadá, França, Alemanha, Japão, Itália, Reino Unido e Estados Unidos.

A COVAX foi criada pela OMS, a GAVI, a aliança de vacinas e a Coalizão para Inovações em Preparação para Epidemias. É parte do Acelerador de Acesso às Ferramentas covid-19 (ACT) para fornecer diagnósticos, tratamentos e vacinas contra a covid-19, equitativamente a todas as pessoas, em todo o mundo, independentemente da sua riqueza.

 


UNICEF apela ao financiamento de emergências no valor de 9,4 mil milhões de dólares

Os fundos que a UNICEF espera receber vão apoiar 177 milhões de crianças em 145 países e territórios que tenham sido afetadas por conflitos,...

Dia Internacional da Aviação Civil enfatiza inovações para maior conectividade

Este 7 de dezembro é o Dia Internacional da Aviação Civil. Na data, as Nações Unidas promovem a consciência sobre a importância do setor...

Homenagem a ex-presidente de Portugal lembra qualidades do estadista

Jorge Sampaio morreu em 10 de setembro; ele presidiu o país de 1996 a 2006; participaram líderes da ONU e da Assembleia Geral, ex-primeiro-ministro...