A-Z índice do site

António Guterres: “Guerra da Humanidade contra a Natureza é suicida”

O secretário-geral da ONU, António Guterres, considera que a guerra que a humanidade tem lançado contra a natureza é uma “guerra suicida”, porque a natureza “responde muitas vezes, como temos visto através dos furacões, através dos incêndios, através da seca dramática em várias regiões do mundo.”

O líder das Nações Unidas esteve em Lisboa, onde participou na cerimónia de abertura de Lisboa Capital Verde Europeia, e enfatizou que ”é errado pensar que estamos a destruir o Planeta”.

Para Guterres, por mais “asneiras que façamos, o planeta continuará por milhões de anos a girar à volta do Sol, o que está a acontecer é que a humanidade está a destruir-se a si própria e a possibilidade de poder viver no Planeta.”

António Guterres discursa em Lisboa. Créditos: Luís Catarino
António Guterres discursa no Pavilhão Carlos Lopes, em Lisboa. Foto: Luís Catarino / CML

Ano de viragem

António Guterres explicou que 2020 pode ser um ano de mudança no combate às alterações climáticas e que haverá três oportunidades para começar a interromper o “ciclo de conflito, de guerra, que estamos a mover contra a Natureza.”

A primeira é a conferência dos Estados-partes da Convenção da Biodiversidade, a segunda é a Conferência dos Oceanos, que terá lugar em Lisboa em junho próximo, e a terceira é a realização da COP26, que dará aos países a possibilidade de se comprometerem com um conjunto de medidas concretas para poderem combater as alterações climáticas.

António Guterres em Lisboa. Foto: Luís Catarino
Fernando Medina, António Guterres, António Costa e Frans Timmermans no Parque das Nações, em Lisboa. Foto: Luís Catarino / CML

Guterres destacou que estes três momentos acontecem no ano em que Lisboa será a Capital Verde da Europa, coincidindo com “três batalhas que estamos a perder”: a batalha da biodiversidade, numa altura em que um milhão de espécies estão em risco de desaparecer, a batalha da degradação dos oceanos, com o aumento da poluição, em particular dos plásticos, e a batalha de transformar o Acordo de Paris em algo real para combater as alterações climáticas.

O diplomata português lembrou ainda que, ao contrário de Portugal em que as emissões estão a diminuir, as emissões à escala mundial continuam a aumentar, alertando ainda para a escalada da temperatura atmosférica que está a provocar “a multiplicação de incidentes em todo o mundo com consequência gravíssimas ao nível dos desastres naturais, ao nível dos glaciares que desaparecem, ao nível do corais que vão branqueando“.

Esperança

O secretário-geral da ONU está otimista porque a comunidade internacional sabe exatamente o que tem de fazer: “não podemos deixar que as temperaturas subam mais do que 1,5ºC no final do século e, para isso, é preciso que haja neutralidade carbónica em 2050 e com uma drástica redução de emissões já na década de ’30.”

António Guterres em Lisboa. Foto: Luís Catarino
António Guterres, António Costa, Marcelo Rebelo de Sousa e Fernando Medina na inauguração de Lisboa como Capital Verde Europeia, no Parque Eduardo VII. Foto: Luís Catarino / CML

O facto das tecnologias que o permitem fazer já existirem e de serem competitivas faz com que, na opinião de Guterres, não haja “nenhuma razão para continuar a insistir nos combustíveis fósseis.”

Guterres referiu ainda que outro fator de esperança é a crescente mobilização da juventude que exige “vontade política para conduzir estas transformações.”

ONU News

FAO faz alerta para “potencial destrutivo” de nuvem de...

Nuvens de gafanhotos do deserto na Etiópia, no Quênia e na Somália podem crescer...

Concurso premiará melhor arquitetura e design para Complexo da...

O Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos, ONU-Habitat, está apoiando o Concurso Internacional de...

ONU parabeniza ex-secretário-geral Pérez de Cuellar por aniversário de...

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, enviou uma carta a Javier Péres de...

OMS: “mundo está ficando sem opções para combater super...

A Organização Mundial da Saúde, OMS, alertou para a falta de novos antibióticos por...

ONU realiza cerimônia em memória das vítimas do terremoto...

Em 12 de janeiro de 2010, um tremor de 7 graus de magnitude, matou...