A-Z índice do site

Boutros Boutros-Ghali (Egito)

Boutros Boutros-Ghali assumiu funções como sexto secretário-geral da Organização das Nações Unidas no dia 1 de janeiro de 1992, iniciando um mandato que se estenderia por 5 anos. De nacionalidade egípcia, foi o primeiro secretário-geral de origem africana.

Em 1992, a ONU via a sua influência crescer após um papel preponderante na Guerra do Golfo, mas rapidamente perdeu a simpatia da sociedade civil após o genocídio do Ruanda em 1994. Boutros-Ghali foi criticado pelo papel passivo da organização durante o genocídio e isto, juntamente com a sua oposição à intervenção da NATO na Bósnia, entre outras controvérsias, foi apontado como a principal razão para a sua não-renomeação.

Académico e diplomata, Boutros-Ghali era doutorado pela Universidade de Paris em Direito Internacional e deu aulas na Universidade do Cairo. Adicionalmente, foi membro do parlamento egípcio e Ministro dos Negócios Estrangeiros, tendo liderado as delegações egípcias à Assembleia Geral da ONU durante três vezes antes de assumir funções como secretário-geral. Enquanto Ministro, o seu feito mais memorável prendeu-se com o Acordo de Camp David.

Boutros Boutros-Ghali, discursa durante uma conferência de imprensa nas Nações Unidas Foto: ONU/Milton Grant

O seu período como secretário-geral compreendeu um dos períodos mais difíceis da organização até hoje, com especial enfâse nas crises do Ruanda, Angola, ex-Jugoslávia, Somália e Médio Oriente.

O seu legado assenta num aumento de missões de manutenção de paz – os capacetes azuis – e na sua defesa da importância dos processos de peace-building após o conflito, algo que hoje está fortemente enraizado na matriz operacional da ONU atualmente.

Faleceu em 2016 com 93 anos.


Pandemia empurrou até 132 milhões de pessoas para a fome crônica

A pandemia de Covid-19 prejudicou vários esforços para o alcance da Agenda 2030 dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.  Em um novo relatório, a Organização das Nações Unidas...

Assembleia Geral da ONU: presidente da República defende diálogo global

O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, discursou na cerimónia de abertura da 76.ª sessão Assembleia Geral das Nações Unidas (AGNU) tendo-se centrado...

“Sistema de saúde do Afeganistão está à beira do colapso”, declara chefe da OMS

O subsecretário-geral da ONU para Assuntos Humanitários, Martin Griffiths, está liberando US$ 45 milhões para o setor de saúde do Afeganistão. O anúncio foi...